sábado, 30 de abril de 2016

DENGUE E O FRIO EM PERUÍBE - ABRIL DE 2016


Uma vantagem deste rigoroso frio no outono: A DENGUE EM PERUÍBE JÁ ERA.

O mosquito tem dificuldade para se reproduzir numa menor temperatura. O general frio salvou esta cidade novamente. Não veremos uma situação calamitosa como a que ocorreu em 2015, quando a UPA estava lotada de doentes com dengue. Se incomoda com o frio? Agradeça a ele pois evitará o agravamento de um problema rotineiro por aqui.


MARCADORES: PERUÍBE, PERUIBENSE, PERUIBENSES, PERUIBANO, FRIO EM 2016, OUTONO EM PERUÍBE, EPIDEMIA DE DENGUE, MOSQUITO NÃO RESISTE AO FRIO, O FRIO NOVAMENTE SALVARÁ PERUÍBE DA DENGUE

sexta-feira, 29 de abril de 2016

NO SILÊNCIO DA NOITE, UM POUCO DE REFLEXÃO - ABRIL DE 2016


Nesta noite, a temperatura outonal caiu para 14 graus, mas acho que é bem menos. Embora goste dessa mudança, sou obrigado a dizer que muitos peruibenses estão nesta noite lamentando pela mudança brusca de temperatura, pois por por falta de dinheiro, não se prepararam para um frio como este. 

Por enquanto usarão os mesmos agasalhos surrados, com os quais encaram manhãs geladas, enfrentando nas ciclovias um vento "alasquiano" em suas já gastas bicicletas, só podendo sonhar com o conforto interno dos automóveis que passam bem ao lado. E prosseguimos numa cidade sempre despreparada, para o calor, chuva, frio, excesso ou falta de turistas, veranistas ou invernistas. Pois é, até a vinda de muitos visitantes demonstram o despreparo de Peruíbe para mudanças inevitáveis e mais do que aguardadas.

Uma boa mudança chegando: o frio extremo acabará com a dengue, pois a reprodução do mosquito tente a ser prejudicada com as baixas temperaturas.

Ah, um vídeo abaixo, no qual demonstro um curioso efeito do frio aqui na minha casa.





MARCADORES: PERUÍBE, PERUIBENSE, PERUIBANO, OUTONO 2016, FRIO, BAIXAS TEMPERATURAS, FIM DA DENGUE EM 2016

VINÍCIUS TORRES FREIRE / POVO CANSADO DE CRISE TERÁ MAIS NOTÍCIAS RUINS - ABRIL DE 2016



O Brasil tem agora 11 milhões e 100 mil pessoas à procura de um emprego, três milhões e meio de desempregados a mais que no início de 2015. É um desemprego de cerca de 11%. O salário médio cai. Muita gente perde emprego com carteira assinada e não aparece na estatística porque passa a trabalhar por conta própria, muitas vezes fazendo bico.

O massacre dos empregos vai continuar pelo menos até o final do ano. É neste ambiente que deve começar um novo governo em maio.

Não se trata de apenas crise no mercado de trabalho. Vários Estados do país estão quebrados, sem ter como pagar salários ou manter o bom funcionamento de hospitais. Os serviços públicos mais essenciais vão piorar em quase todo o país.

Muita gente que perdeu o emprego vai demorar a arrumar trabalho. Nesse tempo, o seguro desemprego vai acabar.

Cerca de 60 milhões de brasileiros estão com dívidas em atraso. Trata-se de 41% das pessoas com mais de 18 anos. Quase 3 em cada 4 das pessoas com dívidas em atraso ganham menos de dois salários mínimos.

Nesse clima, um eventual governo Temer deve começar propondo mais cortes e mudanças dolorosas na economia. No começo pelo menos, o gasto em saúde e educação vai cair algo mais. Já vinha caindo no governo Dilma.

Além do mais, o governo Temer deve propor uma mudança na Previdência, para quem ainda vai se aposentar. É mudança necessária, mas vai pegar muito mal: vai aumentar a idade mínima para a aposentadoria.

É possível que, se tudo der certo, a economia pare de piorar na segunda metade do ano e, muito devagarinho, comece a se recuperar no início do ano que vem. Mas não o emprego.

Não se discute aqui se as mudanças são necessárias ou não. A dúvida é a respeito do que vai acontecer, em termos políticos e sociais. O país vai receber mais notícias ruins com a esperança de que as coisas possam melhorar? Ou vai haver mais revolta? Desde 2013, há ondas de protestos, os maiores que o país já viu.

E agora? Além das dúvidas econômicas, não sabemos bem se haverá clima político e social para enfrentar as mudanças. Ou havendo reformas, qual será a reação de um povo está muito cansado de crise. Boa noite.



MARCADORES: GOVERNO TEMER, IMPEACHMENT DA DILMA, HERANÇA DE UM GOVERNO MEDÍOCRE

quinta-feira, 28 de abril de 2016

MÍNIMA DE 12° NA ÚLTIMA MADRUGADA, E 14° NESTA NOITE - 28 DE ABRIL DE 2016




Na madruga do dia 27 de abril para hoje, a mínima foi de 12 graus, e agora, até este momento (23:30), a temperatura está em 14 graus. Que diferença do início da semana, quando ocorreram temperaturas mais altas que no úmido janeiro. Veremos o que o próximo inverno nos reserva.


MARCADORES: PERUÍBE, PERUIBENSE, PERUIBANO, NOITE, MADRUGADA FRIA, ONDA DE FRIO, FRENTE FRIA, FIM DO MÊS DE ABRIL, OUTONO DE 2016, A CAMINHO DO INVERNO DE 2016

VINICIUS TORRES FREIRE / O QUE PODE MUDAR NA ECONOMIA SE TEMER ASSUMIR -ABRIL DE 2016




Daqui a uns 15 dias, o Brasil pode ter um novo governo. O que pode mudar na economia? O que pode mudar logo na sua vida?

O que a gente sabe, por enquanto, é meio vago, embora a mudança deva ser importante.

Qual mudança? Deve ser uma administração dedicada a consertar o principal problema do governo: a pindaíba. Além de o governo por ora não ter dinheiro para nada, a dívida cresce rapidamente, o que prejudica todo o resto da economia.

Governos na pindaíba não têm alternativa: cortam gastos ou aumentam impostos. Ou fazem um pouco de cada coisa. Muito de cada coisa, dado o estado lamentável das contas públicas.

O que muda de imediato no dia a dia? A discussão maior é se vai haver ou não aumento de imposto. Se vier aumento, deve ser algo como uma CPMF, mas há gente na equipe virtual de Michel Temer que é totalmente contra imposto.

Segunda mudança prática, que pode afetar o cotidiano: vai haver um plano de mudar a Previdência, principalmente as aposentadorias do INSS. Vai haver mudança para quem já está aposentado? A princípio, não. Mas pode mudar o modo de reajustar o valor das aposentadorias.

Para quem ainda vai se aposentar, pode haver mais mudança. Deve haver uma idade mínima para se aposentar, que deve subir aos poucos, para 65 anos, também para mulheres.

Terceira mudança: no começo, vai haver corte de despesa em saúde e educação. Onde a coisa vai pegar, não se sabe. Mas vai pegar. Quarta coisa para se prestar atenção: pode haver mudanças em reajustes de salários de servidores federais.

Vai haver corte em benefícios sociais para os mais pobres, como Bolsa Família? Não. Talvez venha algum reajuste no benefício. Mas o governo vai rever todos os programas sociais.

Quem vai ser o ministro da Fazenda? Por ora, o boato mais forte é Henrique Meirelles, que foi presidente do Banco Central nos oito anos do governo Lula.

Mas é bom prestar muita atenção no nome que está sendo cotado para o ministério do Planejamento, o senador Romero Jucá, que já foi líder parlamentar dos governos FHC, Lula e Dilma, atualmente presidente interino do PMDB, partido de Temer. Jucá vai ter voz muito importante no governo, na economia também.



MARCADORES: GOVERNO MICHAEL TEMER, FIM DO GOVERNO DILMA

quarta-feira, 27 de abril de 2016

NESTA NOTE EM PERUÍBE, TEMPERATURA EM 16° GRAUS - 27 DE ABRIL DE 2016



O outono brasileiro parece ter começado hoje. Esta é a primeira noite fria em Peruíbe neste ano, com surpreendentes 16°graus. Digo que a temperatura é surpreendente, pois ontem e anteontem o calor parecia mais intenso que no chuvoso verão. Uma virada radical, e para este blogueiro mais do que agradável.





MARCADORES: PERUÍBE, PERUIBENSE, PERUIBANO, OUTONO 2016, NOITE FRIA, QUEDA NA TEMPERATURA, FINALMENTE O OUTONO COMEÇOU

CARIOCA VARRE OS ARGUMENTOS DO PREFEITO FERNANDO HADDAD NO PROGRAMA PÂNICO - ABRIL DE 2016






No programa PÂNICO, o famoso carioca (o único de direita lá? É o que parece), mostra como se detona a arrogância petista em um debate. Deixou o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, sem ter o que dizer, e sem se importar com as interrupções dos colegas. Simplesmente varreu os seus frágeis argumentos, deixando uma lição de como debater com eficiência.


MARCADORES: BRASIL, BRASILEIROS, ESTADO DE SÃO PAULO, CIDADE DE SÃO PAULO, GRANDE SÃO PAULO, CAPITAL PAULISTA, PREFEITO DE SÃO PAULO FERNANDO HADDAD, PREFEITURA DE SÃO PAULO, GOVERNO PT, PROGRAMA PÂNICO, CARIOCA VERSUS HADDAD, DEBATE POLÍTICO, ELEIÇÕES MUNICIPAIS EM 2016

terça-feira, 26 de abril de 2016

O DESEMPREGO - POÉTICO, TRISTE E DESESPERADOR / ABRIL DE 2016



MARCADORES: MERCADO DE TRABALHO, JOVEM EM BUSCA DE TRABALHO / EMPREGO, DESEMPREGO, ESTÁGIO, ESTAGIÁRIO, VAGAS DE TRABALHO EM, POETA, POESIA EM, PERUÍBE, PERUIBENSE, VALE DO RIBEIRA, VALERIBEIRENSE, ANA DIAS, ITARIRI, ITARIRIENSE, PEDRO DE TOLEDO, PEDRO-TOLEDENSE, MIRACATU, MIRACATUENSE, JUQUIÁ, JUQUIAENSE, REGISTRO, REGISTRENSE, IGUAPE, IGUAPENSE, ILHA COMPRIDA, ILHACOMPRIDENSE, SETE BARRAS, SETE-BARRENSE, PARIQUERA-AÇU, PARIQUERENSE, JACUPIRANGA, JACUPIRANGUENSE, CANANÉIA, CANANIENSE, BARRA DO TURVO, BARRA-TURVENSE, CAJATI, CAJATIENSE, IPORANGA, IPORANGUENSE, ELDORADO, ELDORAENSE, BARRA DO CHAPÉU, BARRENSE, SANTOS, BAIXADA SANTISTA, LITORAL PAULISTA, ESTADO DE SÃO PAULO, CURITIBA, PARANÁ, LITORAL PARANAENSE, BRASIL, BRASILEIROS

sábado, 23 de abril de 2016

JORNAL DA CULTURA DEBATE - O JOVEM NO TRABALHO | 20 DE ABRIL DE 2016







MARCADORES: TV CULTURA, JORNAL DA CULTURA, MERCADO DE TRABALHO, JOVEM EM BUSCA DE TRABALHO / EMPREGO, DESEMPREGO, ESTÁGIO, ESTAGIÁRIO, VAGAS DE TRABALHO EM, PERUÍBE, PERUIBENSE, VALE DO RIBEIRA, VALERIBEIRENSE, ANA DIAS, ITARIRI, ITARIRIENSE, PEDRO DE TOLEDO, PEDRO-TOLEDENSE, MIRACATU, MIRACATUENSE, JUQUIÁ, JUQUIAENSE, REGISTRO, REGISTRENSE, IGUAPE, IGUAPENSE, ILHA COMPRIDA, ILHACOMPRIDENSE, SETE BARRAS, SETE-BARRENSE, PARIQUERA-AÇU, PARIQUERENSE, JACUPIRANGA, JACUPIRANGUENSE, CANANÉIA, CANANIENSE, BARRA DO TURVO, BARRA-TURVENSE, CAJATI, CAJATIENSE, IPORANGA, IPORANGUENSE, ELDORADO, ELDORAENSE, BARRA DO CHAPÉU, BARRENSE, SANTOS, BAIXADA SANTISTA, LITORAL PAULISTA, ESTADO DE SÃO PAULO, CURITIBA, PARANÁ, LITORAL PARANAENSE, BRASIL, BRASILEIROS

sexta-feira, 22 de abril de 2016

POVO ACOMPANHANDO A VOTAÇÃO DO IMPEACHMENT NA REPÚBLICA DE CURITIBA, 17 DE ABRIL - MELHORES MOMENTOS







MARCADORES: VOTAÇÃO DO IMPEACHMENT DA DILMA, DOMINGO 17 DE ABRIL, CURITIBA, PARANÁ, PARANAENSES, REPÚBLICA DE CURITIBA, CURITIBANOS, BRASIL, BRASILEIROS, COMEMORAÇÃO

VINICIUS TORRES FREIRE / DESEMPREGO SUPERA 10%, E OS SALÁRIOS CAEM - ABRIL DE 2016




A economia piorou muito no ano passado, mas a dureza ainda não tinha chegado com toda força nos empregos e nos salários. Pois então. Chegou.

A taxa de desemprego, como a gente acabou de ver, subiu para mais de 10%. Uma em cada dez pessoas procura trabalho e não acha. No ano passado, nesta mesma época, 7 milhões e 400 mil pessoas estavam nessa situação. Agora, são 10 milhões e 300 mil. Um aumento de 40%.

É um dos horrores que a gente vê na pesquisa nacional do IBGE sobre emprego, a Pnad.

Os salários estão caindo, na média, cada vez mais rápido. Quem está trabalhando, por vezes vê seu salário cair, se não tem carteira assinada. Quem consegue um emprego, tem de aceitar salário menor. Na média, o salário no Brasil caiu quase 4% em um ano, perda real, já descontada a inflação. Como tem menos gente trabalhando e, quem tem trabalho, ganha na média menos, a renda total no Brasil está caindo também, claro. A massa de rendimentos, soma de todas a rendas do trabalho, caiu 5% em um ano. É uma queda brutal.

Se a soma total do dinheiro pago cai, cai, claro, o consumo. Mas o consumo também cai porque as pessoas estão com medo de comprar bens caros, mesmo quando têm dinheiro. Outras, não se arriscam a fazer um financiamento.

Juntando tudo isso, a economia continua a afundar.

Até onde isso vai? A opinião quase geral entre os economistas é que o desemprego e a queda dos salários vai até o final do ano, pelo menos. A dúvida é apenas sobre o tamanho do estrago: o desemprego passa de 10% para 11% ou para 13%?

Mesmo que assuma um novo governo com um bom projeto e apoio no Congresso para aprovar um pacote, o desemprego vai continuar a crescer. Mesmo quando a crise geral da economia começa a passar, o desemprego é sempre um dos últimos indicadores a reagir. Por quê?

Por que a economia ficou menor, produz menos. Isso é o que quer dizer recessão.Uma economia menor emprega menos gente. Até voltara crescer um pouquinho lá pela metade de 2017, o emprego não vai melhorar. Boa noite.



MARCADORES: RECESSÃO, DEPRESSÃO ECONÔMICA, DESEMPREGO ELEVADO, QUEDA NO VALOR DOS SALÁRIOS, IMPEACHMENT DA DILMA

CONCURSO PÚBLICO PARA PREFEITURA DE PERUÍBE: INSCRIÇÕES PRORROGADAS - ABRIL DE 2016








MARCADORES: PERUÍBE, PERUIBENSE, PERUIBANO, CONCURSO PÚBLICO MUNICIPAL 2016, PREFEITURA, CONCURSEIROS, EMPREGO, DESEMPREGO, OPORTUNIDADES, FUNCIONALISMO PÚBLICO, FUNCIONÁRIO PÚBLICO

quinta-feira, 21 de abril de 2016

DENISE CAMPOS DE TOLEDO / DESINFLAÇÃO PODE ABRIR ESPAÇO À QUEDA DE JUROS - ABRIL DE 2016



Na semana que vem tem reunião do Copom, o Comitê de Política Monetária do Banco Central. Nesta reunião é bem improvável que haja alguma redução dos juros básicos, na taxa selic, atualmente em 14,25% ao ano. Vai ser muito difícil o BC mexer nos juros em meio ao atual quadro político, com um processo de impeachment em andamento. Mas um corte da Selic poderá ocorrer ainda este ano. Essa ideia, vista até pouco tempo atrás, como incompatível com o comportamento da inflação, vai entrando no radar, diante da desinflação que já se pode notar nos vários índices, relacionada à recessão, ao enfraquecimento da demanda e também ao dólar mais baixo. A inflação ainda está alta, com pressão forte dos alimentos, aumentos de alguns preços administrados, como água e mesmo remédios, que tiveram reajuste autorizado agora em abril, começa a ceder. Mas já há uma nítida perda de força nos preços que respondem muito à demanda, como roupas, eletrodomésticos e até serviços. Serviços como cabeleireiro, reparos da casa, tintureiro e outros que estiveram entre os principais fatores de pressão dos últimos anos. Neste ano estão acompanhando mais o ritmo de inflação, que também está perdendo ritmo. Seguindo assim, a inflação, mais acomodada, pode dar espaço para algum corte dos juros básicos, de um, talvez, até dois pontos. Isso fica mais provável se houver a mudança de governo, com uma equipe que desperte maior credibilidade, sem que a alteração dos juros pareça uma estratégia populista. Detalhe: a queda do dólar, que está colaborando pra essa expectativa melhor em relação à inflação, veio muito da perspectiva de mudança de governo. E a queda do dólar, que ontem fechou em R$ 3,53, só não foi maior nas últimas semanas, pela intervenção pesada do Banco Central, que tem dado o recado de que não quer a cotação abaixo dos R$ 3,50, pelos efeitos negativos que poderia ter para a competitividade dos produtos brasileiros e a balança comercial. Mas aí é outra história. Boa noite.


MARCADORES: DESINFLAÇÃO / DEFLAÇÃO, RECESSÃO, DEPRESSÃO ECONÔMICA, IMPEACHMENT DA DILMA

quarta-feira, 20 de abril de 2016

O MASSACRE CONTRA BOLSONARO E O CAMINHO DA VERDADE - ABRIL DE 2016







MARCADORES: DEPUTADO FEDERAL JAIR MESSIAS BOLSONARO, DEPUTADO FEDERAL EDUARDO BOLSONARO, DISCURSO DO BOLSONARO NA VOTAÇÃO DO IMPEACHMENT DA DILMA, CORONEL USTRA, REGIME MILITAR, CUSPARADA DO JEAN WYLLYS, DOUTRINAÇÃO MARXISTA CULTURAL, NACIONALISMO, SOCIALISMO, COMUNISMO, DESESPERO DA ESQUERDA, PRESIDENTE 2018, PERUÍBE, PERUIBENSE, VALE DO RIBEIRA, VALERIBEIRENSE, ANA DIAS, ITARIRI, ITARIRIENSE, PEDRO DE TOLEDO, PEDRO-TOLEDENSE, MIRACATU, MIRACATUENSE, JUQUIÁ, JUQUIAENSE, REGISTRO, REGISTRENSE, IGUAPE, IGUAPENSE, ILHA COMPRIDA, ILHACOMPRIDENSE, SETE BARRAS, SETEBARRENSE, PARIQUERA-AÇU, PARIQUERENSE, JACUPIRANGA, JACUPIRANGUENSE, CANANÉIA, CANANIENSE, BARRA DO TURVO, BARRA-TURVENSE, CAJATI, CAJATIENSE, IPORANGA, IPORANGUENSE, ELDORADO, ELDORAENSE, BARRA DO CHAPÉU, BARRENSE, SANTOS, BAIXADA SANTISTA, LITORAL PAULISTA, ESTADO DE SÃO PAULO, CURITIBA, PARANÁ, LITORAL PARANAENSE, BRASIL, BRASILEIROS

segunda-feira, 18 de abril de 2016

DENISE CAMPOS DE TOLEDO / MERCADO MAIS REALISTA SOBRE MUDANÇAS DE GOVERNO - ABRIL DE 2016



Parece estranho o fato de o mercado, que torce pelo impeachment, não ter tido uma reação animada no dia seguinte à votação na Câmara. O motivo, em parte, é esse: o mercado, quase eufórico, antecipou o fato. A bolsa subiu demais, dando espaço agora pra chamada realização de lucros. Quem ganhou embolsa, por receio de algum tropeço, que pode ocorrer mesmo até porque só o impeachment não vai garantir um desempenho efetivamente melhor da economia e das empresas. Apenas abre mais espaço para que isso possa acontecer. Já o dólar interrompeu a queda com a atuação pesada do Banco Central, através da venda recorde de contratos de swap cambial reverso, que são um compromisso de compra futura da moeda. O Banco Central enxuga a oferta pra sustentar a cotação em nível mais alto. Com isso quer evitar que uma queda muito forte possa prejudicar a melhoria de competitividade da produção nacional, das exportações, que deve ocorrer com o dólar mais alto. Agora, é fato também que o mercado está sendo realista com relação aos efeitos da possível mudança de governo. Conta com uma gestão mais eficiente, que reorganize a economia, estabeleça perspectivas melhores e mais confiança, levando à uma retomada da atividade. Mas isso não vai reverter a crise de uma hora pra outra. A recessão deste ano já está dada. Se vier mesmo o impeachment e o novo governo acertar a mão, na escolha da equipe e dos primeiros passos da política econômica, lá para o quarto trimestre pode alcançar algum resultado em termos de reativação da economia. Mas, pra isso, é preciso, também, que o processo caminhe rápido no Senado. Quanto mais demorar, maior a paralisia de decisões e a trava na economia. Previsão melhor, como vimos, só para a inflação. Até pela previsão de recessão pesada, com queda do consumo, o que induz as empresas a segurarem os aumentos. Além disso, houve a queda da tarifa de energia e tem o dólar mais baixo, que também ajuda. Agora uma observação: um telespectador me mandou uma carta me questionando por ter falado, na semana passada, em queda da inflação. Eu não disse que a inflação está baixa. Só está menos alta, por esses fatores que eu citei. Mas uma inflação prevista em 7%, para o final do ano, ainda pesa no bolso, prejudica muito o poder de compra e acaba atrapalhando a retomada de atividade já limita o consumo. Eu volto na quinta. Até lá.


MARCADORES: IMPEACHMENT DA PRESIDENTE DILMA, RECESSÃO, POSSIBILIDADE DE MELHORA

POR 342 VOTOS A FAVOR VERSUS 133 VOTOS CONTRA, O PROCESSO DA DILMA SEGUIRÁ PARA O SENADO (A "DÉCIMA PRAGA") - ABRIL DE 2016




Com 342 votos favoráveis, processo contra Dilma segue para o Senado

Apesar da decisão, presidente ainda não será afastada de suas funções

DE A TRIBUNA ON-LINE  
Vinte e quatro anos depois do Brasil viver um momento único em sua história, com o afastamento do então presidente Fernando Collor de Mello, a Câmara dos Deputados voltou a julgar um presidente, ao decidir pela abertura do processo de impeachment. E, assim como em 92, após denúncias contra sua gestão, Dilma Rousseff (PT) poderá ser afastada de suas funções.

A aprovação da abertura do processo foi anunciada na noite deste domingo (17), após 342 votos favoráveis terem sido computados. O sufrágio que serviu de passaporte para a votação seguir ao Senado foi dado pelo deputado Bruno Araújo (PSDB-PE), por volta das 23h08. No momento em que o placar alcançou os 342 votos pró-impeachment, havia 127 votos contra e seis abstenções.

A votação foi encerrada às 23h50. A abertura do processo foi referendada por 367 deputados. Outros 137 parlamentares foram contrários. Houve ainda sete abstenções. Apenas duas ausências foram registradas na votação. Apesar do resultado, a votação na Câmara não significa o afastamento imediato da presidente. A decisão dos deputados ainda precisará ser confirmada por maioria simples pelo Senado, o que só deverá ocorrer no início de maio.

Afastamento

Caso aprovada a admissibilidade do processo pelo Senado, o que deve ser decidido entre os dias 10 e 11 de maio, a presidenta Dilma Rousseff será notificada e afastada do cargo por um prazo máximo de 180 dias, para que os senadores concluam o processo. O vice-presidente da República, Michel Temer, assume o posto. Mesmo se for afastada, Dilma manterá direitos como salário, residência no Palácio da Alvorada e segurança. Nesse período, ela fica impedida apenas de exercer suas funções de chefe de Estado.

Nesta etapa, o processo voltará à comissão especial para a fase de instrução. É aí que a presidenta terá até 20 dias para apresentar sua defesa. A comissão analisará todos os elementos para o impedimento e a defesa de Dilma Rousseff. Também serão juntados documentos, provas, mas, para isso, não há prazo definido em lei.

Um novo parecer com as conclusões, com base no que for reunido, será votado na comissão especial e no plenário da Casa, também por maioria simples. Se aprovado mais esse parecer a favor do impeachment, o julgamento final do processo será marcado. A sessão, no Senado, será presidida pelo presidente do Supremo Tribunal Federal (STF). Nessa última votação, feita apenas no plenário do Senado, é preciso dois terços dos votos para que o impedimento seja aprovado. Ou seja, 54 dos 81 senadores.

Com a derrota na Câmara, o governo deverá entrar com ação no Supremo Tribunal Federal (STF) contra o mérito do pedido de impeachment, mas ainda não está definido quando isto deverá ocorrer. Na noite deste domingo (17) também ficou definido que quem irá se pronunciar pela presidente Dilma será o ministro José Eduardo Cardozo (Advocacia-Geral da União), responsável pela defesa da petista.

A denúncia contra Dilma é baseada em dois pontos: as chamadas pedaladas fiscais e seis decretos de créditos suplementares ao orçamento, considerados crimes de responsabilidade pelos autores do pedido.

As pedaladas são atrasos propositais no repasse de recursos para bancos públicos. A ação é adotada para melhorar artificialmente as contas federais. Já o problema com os créditos é que teriam sido emitidos sem autorização do Congresso.


FONTE: A TRIBUNA


O governo Dilma ACABOU. Contrariando as análises mais pessimistas, o impeachment da presidente seguiu aos trancos e barrancos, e o primeiro resultado prático está aí, pouco fazendo diferença se por enquanto a cidadã em questão prossegue no cargo, pois o SENADO não reverterá essa situação. Com teimosia, ela resistiu como um faraó em luta contra o deus dos hebreus. Um confronto inglório aos egípcios, que francamente, só sofreram devido a resistência inútil do amado de pitá. NÃO FOI POR FALTA DE AVISO, e isso vale para os dois casos.

E com muita satisfação, aviso que a DÉCIMA PRAGA encerrou em definitivo os tempos do PT no poder. Numa guerra, o lado que vence é o que comente menos erros, e essa regra se confirmou. Seguem abaixo dois vídeos em homenagem a esse último e definitivo evento. É A PROMETIDA DÉCIMA PRAGA NO PEDAÇO, MEU POVO !!!








A DÉCIMA PRAGA - A MORTE DOS PRIMOGÊNITOS


Hoje será um dia difícil para muitos esquerdistas. A fantasia acabou, E POUCO ADIANTA REPETIREM A BABAQUICE DO "GOLPE", "GOLPE". Um golpe que passou por todos os trâmites, inclusive pelo STF? Só um fanático esquerdista para dizer que foi golpe, e sobram desses tipos por aí.

Recomendação para o dia de hoje:






Agora, Dilma, posso dizer o seguinte: MEU POVO ESTÁ LIVRE DE TI !!!


POSTAGEM RECOMENDADA: COM O PMDB FORA DO GOVERNO DILMA, O IMPEACHMENT SE TORNA MAIS PRÓXIMO (A "NONA PRAGA")


MARCADORES: MICHEL TEMER / FUTURO PRESIDENTE DO BRASIL, GOVERNO DILMA / PT SEGUINDO PARA O FIM, IMPEACHMENT DA PRESIDENTE / PRESIDENTA DILMA, ANTIGO TESTAMENTO, NOVELA OS DEZ MANDAMENTOS, AS PRAGAS DO EGITO, DÉCIMA PRAGA - A MORTE DOS PRIMOGÊNITOS, DILMA É TEIMOSA COMO O FARAÓ RAMSÉS, SEGUE FIRME MOISÉS / MORO, PROTESTOS A FAVOR DO IMPEACHMENT EM, FOTOS DO PROTESTO, PERUÍBE, PERUIBENSE, VALE DO RIBEIRA, VALERIBEIRENSE, ANA DIAS, ITARIRI, ITARIRIENSE, PEDRO DE TOLEDO, PEDRO-TOLEDENSE, MIRACATU, MIRACATUENSE, JUQUIÁ, JUQUIAENSE, REGISTRO, REGISTRENSE, IGUAPE, IGUAPENSE, ILHA COMPRIDA, ILHACOMPRIDENSE, SETE BARRAS, SETEBARRENSE, PARIQUERA-AÇU, PARIQUERENSE, JACUPIRANGA, JACUPIRANGUENSE, CANANÉIA, CANANIENSE, BARRA DO TURVO, BARRA-TURVENSE, CAJATI, CAJATIENSE, IPORANGA, IPORANGUENSE, ELDORADO, ELDORAENSE, BARRA DO CHAPÉU, BARRENSE, SANTOS, BAIXADA SANTISTA, LITORAL PAULISTA, ESTADO DE SÃO PAULO, CURITIBA, PARANÁ, LITORAL PARANAENSE, BRASIL, BRASILEIROS

domingo, 17 de abril de 2016

PROTESTO IMPEACHMENT EM PERUÍBE NESTE DOMINGO, 17 DE ABRIL, REMARCADO PARA 18 HORAS - ABRIL DE 2016





Atenção, o protesto deste domingo, 17 de abril, foi remarcado para as 18 horas, lá na praça matriz. O fato é que muitos peruibenses estão acompanhando a sessão do congresso nacional pela TV e internet, e só irão para as ruas se o resultado começar a se demonstrar desfavorável para a Dilma. Então, para os interessados, fica o recado: PRAÇA MATRIZ, A PARTIR DAS SEIS DA TARDE.


MARCADORES: PERUÍBE, PERUIBENSE, PROTESTO ANTI-DILMA, MANIFESTAÇÃO, PROTESTO, VOTAÇÃO DO IMPEACHMENT DA DILMA, DOMINGO, 17 DE ABRIL, ENCONTRO DE MANIFESTANTES NA PRAÇA MATRIZ A PARTIR DAS 18 HORAS, SEIS DA TARDE

sexta-feira, 15 de abril de 2016

NÃO CHORA, LULÃO !!! NÃO CHORA, QUE FICA PIOR ... - ABRIL DE 2016




Nesse vídeo, o ex-presidente Lula tenta, DESESPERADAMENTE, reverter a situação dramática da Dilma, a qual terá o ápice no DIA DEPOIS DE AMANHÃ, ou seja, no próximo domingo, 17 de abril.

Eu sei que sempre vai ter algum FANÁTICO disposto a acreditar nele, mas o quê isso importa? Apenas posto isso para que meus habituais visitantes vejam o evidente descontrole do barbudo. Já era, lulão, já era. ATÉ VOCÊ, COMPANHEIRO, SABE QUE A DILMA ESTÁ NO FIM DA LINHA. DISCURSA POR DISCURSAR, POIS SABE QUE ACABOU.



MARCADORES: MICHEL TEMER / FUTURO PRESIDENTE DO BRASIL, GOVERNO DILMA / PT SEGUINDO PARA O FIM, IMPEACHMENT DA PRESIDENTE / PRESIDENTA DILMA, LULA TENTANDO PATETICAMENTE IMPEDIR O IMPAECHMENT, LULA E SUA ÚLTIMA BOBAGEM, PERUÍBE, PERUIBENSE, VALE DO RIBEIRA, VALERIBEIRENSE, ANA DIAS, ITARIRI, ITARIRIENSE, PEDRO DE TOLEDO, PEDRO-TOLEDENSE, MIRACATU, MIRACATUENSE, JUQUIÁ, JUQUIAENSE, REGISTRO, REGISTRENSE, IGUAPE, IGUAPENSE, ILHA COMPRIDA, ILHACOMPRIDENSE, SETE BARRAS, SETEBARRENSE, PARIQUERA-AÇU, PARIQUERENSE, JACUPIRANGA, JACUPIRANGUENSE, CANANÉIA, CANANIENSE, BARRA DO TURVO, BARRA-TURVENSE, CAJATI, CAJATIENSE, IPORANGA, IPORANGUENSE, ELDORADO, ELDORAENSE, BARRA DO CHAPÉU, BARRENSE, SANTOS, BAIXADA SANTISTA, LITORAL PAULISTA, ESTADO DE SÃO PAULO, CURITIBA, PARANÁ, LITORAL PARANAENSE, BRASIL, BRASILEIROS, ALGUM DEPUTADO VAI MUDAR DE IDEIA POR CAUSA DO DESESPERO DO LULA?

quinta-feira, 14 de abril de 2016

DENISE CAMPOS DE TOLEDO / CRISE ECONÔMICA É PRODUTO DE MUITA INCOMPETÊNCIA - ABRIL DE 2016



Essas projeções em relação às contas públicas mostram bem o tamanho da dificuldade que um novo governo terá, no caso de aprovação do impeachment, pra colocar a economia nos eixos. A animação do mercado, que já dá como certa a mudança de governo, vem muito da expectativa de que um novo presidente tenha mais apoio político e competência pra avançar com as medidas necessárias pra estabelecer uma condição melhor de evolução da economia. Ainda que as medidas sejam impopulares, como o corte de pessoal, de despesas nas várias áreas, aumento de impostos, a reforma da Previdência. E não vai dar pra perder tempo. O novo governo, pra garantir o esperado choque de confiança, vai ter que anunciar, com muita rapidez, uma equipe competente e as primeiras propostas. É importante aproveitar, inclusive, o respaldo político que virá do próprio processo de impeachment. Afinal, se passar, se houver o impeachment, em tese, isso vai significar que a maioria dos parlamentares endossou a mudança de governo. Portanto, deverá haver um entendimento pra ajudar esse novo governo a governar e viabilizar uma saída da crise. Ações precisas, confiáveis, podem, inclusive, estimular investimentos, até com atração de recursos externos, que serão importantes para a economia entrar mesmo numa trajetória de recuperação. Chega de paradeira, de inabilidade na gestão da política econômica, de distribuição de cargos e de ministérios só com foco político. Foi muita incompetência que jogou o País na atual crise. Claro que não dá pra esperar por uma mudança mágica, por um governo altamente eficiente e independente. Até porque o jogo político no Brasil é muito pesado. Concessões têm de ser feitas. Por isso, na lista de reformas, também é imprescindível que haja uma reforma política. Mas dá, sim, pra fazer muita coisa pra estabelecer um horizonte de recuperação, que, na prática, será mais um retorno à condição que estávamos poucos anos atrás. A deterioração foi rápida. O País tem de ter de novo uma meta de superávit fiscal, uma meta de inflação, uma condição institucional mais segura pra quem quer investir, com menos intervencionismo. Adiar os ajustes que têm de ser feitos só reforça a crise. Estamos vendo isso. E, mesmo que o governo tenha de apertar muito o cinto, especialmente, pra reequilibrar as finanças, o Brasil tem potencial pra reagir. Boa noite.


MARCADORES: GOVERNO DILMA / PT, IMPEACHMENT DA DILMA, PROTESTO NO DIA 17 DE MARÇO, VOTAÇÃO DO IMPEACHMENT

quarta-feira, 13 de abril de 2016

PIADA REACIONÁRIA PRÓ-IMPEACHMENT - ABRIL DE 2016



Qual é o nome do som emitido por um burro? 

a) Balir; 
b) Zurrar; 
c) Não vai ter golpe.


MARCADORES: BRASIL, BRASILEIROS, GOVERNO DILMA / PT, IMPEACHMENT DA DILMA, BURRO, BURRICE, DOUTRINAÇÃO COMUNISTA, NÃO VAI TER GOLPE ... VAI TER IMPEACHMENT !!!

terça-feira, 12 de abril de 2016

DENISE CAMPOS DE TOLEDO / MÁ GESTÃO DA ECONOMIA DEIXARÁ HERANÇA PESADA - ABRIL DE 2016



Difícil fazer projeções em meio a tantas incertezas. Muita coisa pode acontecer - o impeachment da presidente, a saída também de Michel Temer, novas eleições e até a improvável permanência de Dilma Rousseff. Mas, independentemente do desfecho da crise política, o País não vai escapar de uma piora da crise econômica este ano. O mercado ainda prevê a retração do PIB como nós vimos em 3,77%, mas que pode passar de 4%. O desemprego vai crescer bastante, comprometendo mais o consumo e as finanças das empresas, o que amplia o risco de calote e pode gerar problemas até para o sistema financeiro, especialmente para pequenos e médios bancos. De outro lado, o governo já não tem compromisso com meta fiscal. Em vez de buscar o superávit de 24 bilhões de reais, previsto no orçamento, propõe agora ao Congresso um déficit de 97 bilhões. Pra obter apoio, vai liberando mais e mais verbas partidárias e tenta estabelecer uma agenda positiva, com mais liberação de recursos pra programas sociais, o PIS/Pasep pra idosos... 

A herança que vai ficar da incompetência na gestão da economia, do toma lá da cá, da gastança sem limites vai ser muito pesada. Por isso o mercado reage com exagero ao noticiário favorável ao impeachment. Tem influência do exterior. Outras moedas também avançaram frente ao dólar. Mas o movimento aqui é bem mais intenso pela aposta no impeachment. O dólar caiu e ficou abaixo do 3 e 50, o que não acontecia há oito meses, porque o mercado está vendo maior chance de afastamento da presidente. Ainda que isso não garanta a reversão da crise, pelo menos, abre a possibilidade de adoção de um novo modelo, mais responsável, com maior apoio político. Tudo que não se vê com a permanência de Dilma Rousseff. Nessa hipótese, as projeções são de um cenário bem pior que este que está sendo desenhado. Eu volto na quinta, até lá.


MARCADORES: GOVERNO DILMA / PT, IMPEACHMENT DA DILMA

domingo, 10 de abril de 2016

VINICIUS TORRES FREIRE / ALGUMAS EXPLICAÇÕES PARA A QUEDA DO DÓLAR - ABRIL DE 2016




O preço do dólar, baixo e baixando desde a metade de fevereiro, por aí, parece o de um país pelo menos animado e pronto para sair do buraco econômico profundo. Não é bem o caso.

A moeda americana voltou a cair abaixo de R$ 3,60. Lembrem-se que, no início de janeiro, o dólar andava rondando a casa dos R$ 4,20.

Aconteceu alguma coisa nova? De certo modo, sim. Sim, houve notícias animadoras nos mercados financeiros mundiais, nos mercados financeiros. Sim, existe a perspectiva de que acabe essa agonia política.

De certo modo, não há novidades. São esses os fatores que vêm fazendo o dólar subir ou cair desde o início do ano.

Mais ou menos metade da queda do preço do dólar e da animação das Bolsas, por exemplo, deve-se a fatores domésticos, à expectativa de que Dilma Rousseff será deposta e que, depois disso, virá um governo que ponha ordem na economia, o que aliás ainda é muito incerto. Mas o pessoal especula com isso.

Um outro motivo da melhoria dos mercados financeiros aqui é a economia mundial. Um dos motivos de preocupação entre os investidores é o destino da China. A coisa é enrolada, mas havia medo de que houvesse uma grande fuga de capitais da China, de dinheiro da China, uma perda de valor da moeda deles e, assim, uma desordem no comércio mundial, onde a China tem peso enorme, entre outros problemas. Agora, parece que haverá alguma estabilidade lá na China.

Essa alegria vai durar? Depende da política, que está completamente imprevisível. Depende também da calmaria lá fora, isto é, depende de calmaria na economia americana, na economia chinesa e no preço das mercadorias importantes para o comércio dos países emergentes, Brasil inclusive: petróleo, ferro, comida, por exemplo. Se o preço dessas mercadorias sobe, a coisa fica mais calminha aqui. Boa noite.



MARCADORES: GOVERNO DILMA /PT, IMPEACHMENT DA DILMA

MANIFESTAÇÃO A FAVOR DO IMPEACHMENT DA DILMA EM PERUÍBE, DIA 17 DE ABRIL DE 2016




O vídeo foi feito de forma apressada, e até eu reconheço que ficou tosco, mas o que me interessa é passar adiante a mensagem.


MARCADORES: PERUÍBE, PERUIBENSE, PERUIBANO, PROTESTO, MANIFESTAÇÃO, DOMINGO, 17 DE ABRIL, DUAS HORAS DA TARDE, ENCONTRO DOS MANIFESTANTES ÀS 14 HORAS, IMPEACHMENT DA PRESIDENTE DILMA, PRAÇA MATRIZ DE PERUÍBE

sábado, 9 de abril de 2016

CRISE: 100 MIL LOJAS FECHADAS EM 2015 - ABRIL DE 2016



Dados são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED)

Por Mônica Stepchitch

Com o país atravessando a maior recessão desde 1931, consumidores brasileiros apertam o cinto e em consequência o varejo registra o fechamento de quase 100 mil lojas em 2015, de acordo com dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED), reunidos pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC).

A análise revela que houve o fechamento de 95,4 mil lojas com vínculo empregatício no ano passado. Esse resultado corresponde a uma redução de 13,4% no número total de estabelecimentos comerciais que contratam no mínimo um funcionário. Entre as grandes lojas do varejo esse resultado é ainda pior, onde os encerramentos atingiram 14,8% dos estabelecimentos, segundo pesquisa da CNC. “O número de lojas diminuiu de 713 mil ao fim de 2014 para 617 mil ao fim de 2015. É uma queda muito forte, o primeiro recuo anual da série histórica iniciada em 2005”.

De acordo com a Confederação, o encerramento das lojas é produto da conjuntura macroeconômica, que levou ao declínio no montante das vendas, e é também um sinal de que o momento mais preocupante da crise econômica no país ainda não chegou. O quadro de 2016, de inflação e juros ainda altos, desvalorização do real, taxa de desemprego elevado e queda na confiança de empresários e consumidores, obriga os proprietários de redes varejistas a serem cautelosos e concentrarem o foco nas lojas mais lucrativas.

“O levantamento deixa claro o tamanho da crise no varejo, que prejudicou todos os setores, incluindo os grandes, que, teoricamente, têm mais condições de encarar o cenário recessivo. Além do mais, salta aos olhos porque ela está presente praticamente no país inteiro”, observa Fabio Bentes, economista da CNC.

Péssimo para os hipermercados

Todos os segmentos do varejo apontaram queda no número de lojas. Em termos absolutos, os hipermercados, os supermercados e as mercearias foram os mais atingidos, com o fechamento do número mais elevado de lojas em relação a 2014 – 25,6 mil no total. Assim como as lojas de vestuário e calçados (14%), o setor foi responsável por quase metade (45%) das lojas fora de operação. Os números estão baseados nas informações de dezembro de 2015 do CAGED.

Em termos relativos, os setores mais sujeitos às condições de crédito tiveram maior prejuízo, especificamente o setor de material de construção, cujo índice de retração foi maior (18,3%), depois o segmento de informática e comunicação (queda de 16,6%), o ramo de móveis e eletrodomésticos (encolhimento de 15%) e automóveis (-14,9%).

Varejo em seu pior momento

O Wal-Mart, maior varejista do mundo, fechou 60 lojas no Brasil no início deste ano. O varejo ampliado, que abarca o ramo automotivo e material de construção, concentra queda de 8,4% de janeiro a novembro de 2015, de acordo com dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Resultado foi trazido pela diminuição das vendas no varejo, que possivelmente registrou no ano passado o pior nível dos últimos 15 anos.

“Foi uma crise generalizada, que não poupou ninguém no ano passado, e que deixa uma herança negativa para 2016. Porque, começando o ano com 95 mil lojas a menos, a chance de ter uma recuperação das vendas é muito remota”, disse o economista Fabio Bentes, da Divisão Econômica da CNC.

Veja informações das lojas e marcas mais conhecidas:

Rhodia

Fábrica têxtil em Jacareí (SP), interrompeu a produção e demitiu 129 funcionários. A empresa informou que tomou a decisão de concentrar sua produção na unidade de Santo André (SP) após diminuição no consumo de produtos, avaliada como consequência da crise econômica.

Alcoa

Uma das maiores produtoras mundiais de alumínio, sediada nos EUA, anunciou mais um corte de produção no Brasil e a demissão de 650 funcionários na unidade de São Luís, no Maranhão. Desta forma, a empresa não produzirá mais no país o alumínio primário, elemento base para produtos como esquadrias para construção civil e insumos de automóveis.

Amplimatic

Fabricante de peças de alumínio, anunciou a demissão de 57 funcionários e a paralisação da produção em sua unidade de São José dos Campos. “Estamos vivendo uma grande dificuldade por causa da crise. Tivemos até nosso gás e luz cortados. Por isso suspendemos as atividades”, disse o advogado da empresa, Sérgio Tarcha.

Souza Cruz

Fábrica de cigarros subsidiária do grupo British American Tobacco (BAT), anunciou o fechamento da fábrica no Rio Grande do Sul, no município de Cachoerinha. A produção da unidade é de 12 bilhões de cigarros ao ano, aproximadamente 25% do total de 50 bilhões produzidos no Brasil. “Não é uma decisão tomada por vontade própria, mas pela existência de uma escalada expressiva no aumento de impostos, que vem prejudicando o consumo”, disse o diretor financeiro da empresa, Leonardo Senra, entrevistado pela revista Valor Econômico.

Azul

Apresentando corte de 7% na quantidade de assentos ofertados em 2016 e com prejuízo de R$ 267 milhões até setembro de 2015 — valor oito vezes maior que a a perda registrada em igual período no ano anterior —, a empresa pretende devolver 20 dos 140 aviões de sua frota. Do total, 15 passarão para a portuguesa TAP, inclusive nove jatos da Embraer e seis turbohélices ATR, conforme informado pela fonte da aérea. A Azul, assim como as demais empresas, está sendo muito afetada pela alta do dólar, que já ultrapassou a barreira dos R$ 4. Aproximadamente 70% dos custos das aéreas são em dólar (combustível, leasing de aviões e manutenção de peças).

Mabe

As unidades localizadas em Campinas e Hortolândia fabricam geladeiras e fogões das marcas Dako e Continental. Apesar de receber incentivos do governo federal, como a redução no IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) e o financiamento de eletrodomésticos, a empresa assumiu insuficiência para honrar os contratos. A multinacional tem dívidas no Brasil que somam ao menos R$ 24 milhões. Em 2013, foi feito pedido de recuperação judicial, porém não foi suficiente e em dezembro último a empresa pediu à Justiça a decretação de falência.

Walmart Brasil

Terceiro maior grupo supermercadista do país anunciou no início de 2016 o fechamento de 60 lojas no país e a troca de presidente. A quantidade de unidades encerradas representa o dobro do que foi divulgado no fim de dezembro. Na época, o Walmart Brasil pretendia fechar 5% de 544 supermercados, aproximadamente 30 unidades.

O Boticário

A franquia de cosméticos e perfumes fechou dez lojas no Vale do Aço, sendo sete em Ipatinga e três em Coronel Fabriciano em Minas Gerais.

Lojas Leader

Seu controlador, o banco de investimentos BTG Pactual, anunciou falência da rede varejista. O pedido foi feito pela família Furlan, proprietária da rede de lojas paulista Seller, adquirida pela Leader em 2013, que reclama atraso no pagamento de R$ 9 milhões na Justiça.



FONTE: EPOCH TIMES



MARCADORES: VAREJO, LOJAS FECHADAS, COMÉRCIO EM RETRAÇÃO, AUMENTO NO NÍVEL DE DESEMPREGO, RECESSÃO, BRASIL, BRASILEIROS, GOVERNO DILMA / PT, IMPEACHMENT DA DILMA

quinta-feira, 7 de abril de 2016

DENISE CAMPOS DE TOLEDO / JURO NO CARTÃO DE CRÉDITO É RECORDE EM 20 ANOS - ABRIL DE 2016



É, apesar de o Banco Central ter dado uma parada no aumento da taxa básica, por preocupações com a recessão e a queda de atividade, os juros para os consumidores não param de subir. É um recorde atrás do outro. Levantamento da Anefac, Associação dos Executivos de Finanças, mostrou que em março a taxa média do rotativo do cartão chegou a 432% ao ano, a maior em 20 anos. Já a taxa média do cheque especial bateu nos 263,7%. São taxas médias. No caso do cartão tem banco cobrando, no rotativo, 1000% ao ano. Parece inacreditável, mas é a realidade. Os bancos, por medo da inadimplência, aumentam as taxas pra compensar eventuais perdas com o calote. Só que com as taxas nesse nível, muito provavelmente, a inadimplência vai crescer. Como bancar um custo tão alto assim? Até porque não é só isso. O consumidor também está com a renda comprometida pela inflação e pelo desemprego. Não é à toa que a demanda por crédito vem caindo muito. Só encara quem não tem outro jeito. E o melhor é sempre buscar linhas, claro, mais baratas ou menos caras, já que aumento tem sido generalizado. Mas o consignado e o crédito pessoal ainda têm um custo mais acessível, com a vantagem de terem parcelas fixas. No cartão e no cheque especial o custo da rolagem vai subindo de acordo com a mudanças das taxas de mercado. E por mais absurdo que pareça, a tendência ainda é de alta. O próprio Banco Central, ao divulgar o relatório de estabilidade financeira, reconheceu que a queda da demanda por crédito é muito forte e que a inadimplência deve subir mais. Nas atuais condições da economia nem adianta o governo vir com aquela ideia, de sempre, de tentar estimular o consumo e a atividade liberando mais crédito. Hoje essa estratégia não daria resultado. Falta confiança também. A situação só vai mudar quando houver maior segurança quanto ao cenário político e econômico. Enquanto isso, o crédito mais caro e escasso acaba reforçando a desaceleração da atividade, ao frear com mais intensidade o consumo, além de trazer dificuldades adicionais para as empresas, que já estão tentando se equilibrar entre o consumo mais fraco e o aumento de custos. Os juros para as empresas também estão subindo. Eu volto na segunda. Até lá.


MARCADORES: JUROS MUITO ALTOS, CARTÃO DE CRÉDITO, CONSUMO, CONSUMIDORES, GOVERNO DILMA / PT, IMPEACHMENT DA DILMA

quarta-feira, 6 de abril de 2016

VINICIUS TORRES FREIRE / PRODUÇÃO DE VEÍCULOS DESPENCA AO NÍVEL DE 2003 - ABRIL DE 2016




Quando se fala de crise econômica, muitas vezes a gente cita alguns números que são difíceis de interpretar, no dia a dia. Por exemplo, o número do crescimento do PIB, do crescimento da economia do país. Infelizmente, a gente tem outros exemplos bem mais concretos para mostrar o tamanho enorme do estrago. Um caso bem mais fácil de entender é o das montadoras.

As fábricas estão literalmente parando. Nas montadoras de carros, seis de cada dez linhas de produção de automóveis simplesmente estão desligadas, porque a venda de carros cai de modo horroroso.

Repita-se: mais de metade da capacidade de produção das fábricas está sem uso, parada, sem ter o que fazer.

No caso de ônibus e caminhões, a desgraça é ainda maior: mais de 80% das fábricas, na média, estão paradas. Quer dizer, de cada 10 linhas de produção, 8 estão desligadas. Estão virando fábricas fantasmas.

A produção de carros no primeiro trimestre deste ano, como a gente acabou de ver, caiu quase 28%, se comparada à produção dos três primeiros meses de 2015, que já foram bem ruins.

Para resumir o tamanho do desastre: a produção de carros no Brasil voltou ao que era em 2003. Vou repetir: 2003, faz 13 anos, primeiro ano do governo Lula. Em português claro, a gente andou para trás.

Como resultado, a indústria demite. O número de empregados das montadoras caiu quase 9% em relação ao ano passado.

A indústria de veículos é uma das mais importantes do país. É, ou pelo menos, era grande. Alimenta um monte de outras fábricas, é óbvio: aço, plásticos, química, tintas, vidros, borracha, tecido, eletrônicos, metalúrgicas, autopeças, para nem falar das revendedoras e oficinas. Quando se deixa de produzir na indústria automobilística, muita gente perde emprego em outros negócios.

A coisa está assim feia em outros ramos grandes da economia também. Imóveis, por exemplo, outro negócio que movimenta o país. Na grande São Paulo, a venda de imóveis novos caiu 17% em um ano.

A produção e as vendas caem porque há medo de desemprego, do futuro. Porque os juros estão altos. Porque há pouco crédito. E tudo isso começou com uma grande incompetência no governo de Dilma Rousseff. Boa noite.



MARCADORES: INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA, QUEDA NA PRODUÇÃO DE AUTOMÓVEIS / VEÍCULOS AUTOMOTIVOS, DESEMPREGO, RECESSÃO, GOVERNO DILMA / PT, IMPEACHMENT DA DILMA

terça-feira, 5 de abril de 2016

CRISE DERRUBA ÍNDICE DOS ALUGUÉIS E PREÇOS SOFREM REDUÇÃO - ABRIL DE 2016



"O índice de inflação do aluguel caiu pela metade em março, mas na prática muitos contratos abandonaram esse reajuste e já estão ficando mais baratos. O que mais se vê é proprietário fazendo qualquer negócio para o imóvel não ficar vazio."

A deflação no mercado imobiliário já atinge os aluguéis. Claro que muita gente verá isso como positivo, talvez até um sinal de melhora na economia brasileira, mas nem sempre um processo deflacionário indica que algo bom virá. Tratei um pouco disso na postagem anterior, mas creio o que o assunto precisa ser repetido, pois logo todos conhecerão os efeitos da DEFLAÇÃO RUINOSA (UM DOS SINTOMAS DA BOLHA IMOBILIÁRIA).





MARCADORES: MERCADO IMOBILIÁRIO, IMOBILIÁRIAS, VALORES DE ALUGUÉIS, CASAS, APARTAMENTOS, IMÓVEIS COMERCIAIS, INFLAÇÃO, DEFLAÇÃO RUINOSA, BOLHA IMOBILIÁRIA, RECESSÃO

DENISE CAMPOS DE TOLEDO / BARATEAR GASOLINA PODE NÃO SER BOM COMO PARECE - ABRIL DE 2016



Vários índices já apontam para uma inflação mais baixa. A recessão, finalmente, começa a produzir efeito, freando remarcações de preços. Ainda há uma certa resistência dos serviços, mas já dá pra trabalhar com um fechamento de ano um pouco melhor. Como vimos, o mercado prevê a inflação em 7,28%. Ainda muito alta, mas bem abaixo do que se esperava até pouco tempo atrás. A queda recente do dólar também trouxe algum alívio, assim como a mudança de bandeira da tarifa de energia. E, nesse sentido, pode vir mais um reforço. Os preços dos combustíveis podem cair. É que, por causa da queda do petróleo, a gasolina aqui está uns 10% mais cara que no exterior e o diesel até uns 40, 50%. Seria bom do ponto de vista da inflação, do custo de vida. Mas acende a luz amarela. O governo, na tentativa de obter maior apoio, frente à crise política, pode estar recorrendo, de novo, a medidas populistas que já deram muito errado. Tudo bem que tem essa diferença agora. Mas, durante muito tempo, a Petrobrás teve de trabalhar com preços bem abaixo do exterior, quando o governo quis segurar artificialmente a inflação. O uso da Petrobrás como instrumento de controle da inflação colaborou muito para a crise que enfrenta hoje. A crise não veio só da roubalheira, do desvio de verbas. Manter os preços mais altos pode ajudar a Petrobrás a recuperar algum fôlego, o que é positivo pra economia, do ponto de vista de investimentos, de geração de impostos e até emprego. A Petrobrás acabou de lançar um programa que pode resultar em mais 12 mil demissões. Estados, como o Rio de Janeiro, estão numa situação financeira muito complicada, ou mais complicada ainda, pela redução dos royalties do petróleo. Se a gasolina fica mais barata ainda prejudica a produção do álcool. O mercado recebeu mal a ideia, com queda forte das ações de 9 por cento e da bolsa de valores, que recuou 3,5 por cento não só pelos efeitos para a empresa, mas também pelo que isso pode significar em termos de gestão da economia. Para alguns analistas até a mudança da bandeira de energia para verde foi precipitada. É sempre bom ter redução de preços, mas é ver se o custo depois não vai ser pior. De qualquer modo, a perspectiva de uma inflação menos elevada pode abrir espaço para algum corte dos juros básicos pelo Banco Central. Tomara que essa eventual redução da selic, da taxa básica, se vier, não seja mais uma estratégia populista do governo. Já estamos pagando bem caro pela adoção desse tipo de política. O tarifaço e a disparada da inflação foram reflexo do artificialismo. Eu volto na quinta. Até lá.


COMENTÁRIO: essa queda na inflação será apenas uma consequência da recessão, ou seja, vem aí um ciclo de DEFLAÇÃO RUINOSA, com péssimas consequências para os brasileiros. O vídeo abaixo explica bem a questão.





MARCADORES: QUEDA NA INFLAÇÃO, DEFLAÇÃO RUINOSA, PREÇO DA GASOLINA PODE CAIR, AGRAVAMENTO DA RECESSÃO NO BRASIL, AUMENTO DO DESEMPREGO, PETROBRÁS, GOVERNO DILMA / PT, IMPEACHMENT DA DILMA

domingo, 3 de abril de 2016

VÍDEO RÁPIDO SOBRE AS ELEIÇÕES MUNICIPAIS EM PERUÍBE - ABRIL DE 2016




MARCADORES: PERUÍBE, PERUIBENSE, PERUIBANO, ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2016, CARGO DE PREFEITO, PREFEITURA, CANDIDATOS, PROPOSTAS, CAMPANHA ELEITORAL, ELEITORES, ELEITORADO, POPULAÇÃO, PROBLEMAS DA CIDADE, POLÍTICA MUNICIPAL

BOICOTE AOS ARTISTAS PRÓ-DILMA - ABRIL DE 2016



MARCADORES: ATORES, ATRIZES, CLASSE ARTÍSTICA, ARTISTAS, TV, TELEVISÃO, ARTISTAS QUE APOIAM A DILMA, IMPEACHMENT DA PRESIDENTE DILMA, BOICOTE AOS ARTISTAS PRÓ-DILMA

DENISE CAMPOS DE TOLEDO / QUEDA NAS IMPORTAÇÕES MELHORA BALANÇA COMERCIAL - ABRIL DE 2016



Os dados da balança comercial parecem propaganda enganosa. O saldo é ótimo, o melhor em 28 anos, mas não vem de uma expansão do comércio exterior do País, mas sim de um encolhimento, com as importações caindo muito mais que as exportações que também estão caindo. Em relação às importações, isso era esperado, pela alta do dólar registrada desde o ano passado e a forte queda do consumo doméstico. E houve uma queda muito acentuada também dos investimentos, é o aspecto mais preocupante, já que compromete a melhoria da competitividade da indústria nacional, que precisa ganhar capacidade de concorrência pra poder ampliar as vendas externas. As compras de máquinas importadas recuaram quase 27% sobre março de 2015. Já a produção local de bens de capital, que são máquinas e equipamentos, caiu quase 26%, no levantamento do IBGE referente a fevereiro sobre fevereiro do ano passado. Temos queda das importações e do consumo de maquinário produzido aqui. Isso quer dizer que a indústria está segurando mesmo os investimentos, diante da crise que o País enfrenta, o que dificulta uma reação. O comércio exterior seria e é a brecha pra retomada de alguma atividade, já que do lado doméstico não há muita condição de expansão das vendas. O crédito caro e mais escasso, a queda da renda e o desemprego vão continuar afetando negativamente o consumo. Com exceção de uns poucos segmentos, de empresas, que já estavam operando no exterior, inclusive multinacionais, o que se percebe é que o dólar mais alto não favoreceu as exportações como se esperava. E ainda tem essa queda mais recente do dólar, relacionada à crise política, que traz mais incerteza para os empresários. Por enquanto, o que se prevê é mais um ano de queda da produção industrial, com todos os ajustes negativos que isso provoca, inclusive em relação ao emprego. A indústria continua demitindo e demitindo muito. Quanto à balança comercial fica, pelo menos, o saldo em dólares, que melhora as contas externas do País, que são um dos poucos dados positivos da nossa economia. A previsão do mercado é que o saldo este ano chegue aos 43 bilhões e meio. Pode bater nos 50. Problema é que não vai trazer resultados maiores em termos de atividade econômica. Eu volto na segunda. Até lá.


MARCADORES: ECONOMIA, RECESSÃO, ALTA DO DÓLAR, QUEDA NAS IMPORTAÇÕES, GOVERNO DILMA / PT

sexta-feira, 1 de abril de 2016

VINICIUS TORRES FREIRE / ECONOMIA PIORA MAIS AGORA QUE NO ANO PASSADO - ABRIL DE 2016




Faz algumas semanas, a gente mal tem falado de economia aqui no Jornal da Gazeta. Mais comum é a gente comentar o efeito da política na economia. É muito difícil acontecer uma mudança importante na economia enquanto a gente pelo menos não souber que rumo vai tomar a política.

O que mudou nessas semanas de tumulto? Algum sinal de melhora na economia? Muito pouquinho.

A inflação, ao que parece, vai começar a subir menos, mas essa melhora está bem atrasada e ainda não é certa. Aqui mesmo no Jornal da Gazeta, no ano passado a gente disse que isso deveria acontecer um pouco antes do Natal. Passou a Semana Santa e ainda não aconteceu de os preços subirem mais devagar, ainda sobem a 10% ao ano.

Se a inflação cai, sobra mais um pouco de dinheiro para consumo. Os juros podem cair. A economia respira um pouco.

No mais, os números continuam entre deprimentes e assustadores. Hoje, a gente soube que o consumo de energia elétrica caiu 5,5% no primeiro bimestre do ano, se comparado com o ano passado. Isso é sinal de luz cara e indústria parada, de muita recessão.

O crédito continua mal e piorando, soubemos faz pouco. O total de dinheiro emprestado na economia continua caindo, e caindo cada vez mais rápido, vimos pelos dados de janeiro e fevereiro.

O desemprego continua a aumentar também de maneira cada vez mais rápida _está em 9,5% e deve acabar o ano em 13%. Os salários na média caem também cada vez mais rápido.

Logo, no dia a dia das pessoas comuns, a economia está piorando mais agora que no ano passado.

No que diz respeito às empresas, a gente soube hoje que o lucro das firmas que tem ações na Bolsa caiu quase 20% de 2014 para 2015, e isso sem levar em conta a Petrobras, que perdeu tanto dinheiro e é tão grande que iria piorar ainda mais esta estatística. Sem lucro e sem estabilidade, empresa não investe. Sem consumo, crédito e investimento, a gente afunda cada vez mais.

Quanto ao governo e ao Congresso, nada vai andar pelo menos até a decisão do impeachment, lá por maio, pelo menos. Ou seja, nada de importante vai ser feito para conter a crise até a metade do ano. Boa noite.



MARCADORES: BRASIL, BRASILEIROS, POLÍTICA BRASILEIRA, GOVERNO DILMA / PT, IMPEACHMENT DA DILMA, ECONOMIA, RECESSÃO